28 de abril de 2011

Blazblue: Blazz-what?

Oi, eu sou o Roxas.
-Mas hein?
Roxas.
-Cor roxa?
Não, "Róckssás".
-Aquele cara de Kingdom Hearts?
Mas eu não sou aquele cara de Kingdom Hearts.
-Então, quem é você?
Seu pai.
-Ah tá.

[E assim Roxas encara o Anime Kawaii]

Primeiro post meu, muito prazer. Como não tenho aula às quintas-feiras, eu fico muito sem nada o que fazer neste fadídico dia em que todo mundo tá na escola estudando pra alguma prova.
Pra preencher este vazio no meu peito, eu quis falar de video game.
-Ah, mas desde de quando você é "pro" em games?"

[E assim que os leitores do AK olham pro Roxas]

Nunca fui! Sou uma pessoa normal que não participa de campeonatos e joga com seus amigos quando tem oportunidade.
Principalmente jogos de lutinha. NADA DE CAPCOM E STREET FIGHTER LIXO!! CAPCOM NUNCA INOVA SUAS POHA DE JOGOS! PARECE NINTENDO RELANÇANDO MARIO!!!

Vou falar de muitos jogos sonystas, pois sou alienado e sonysta. Sempre aguardem jogos de PSX, PS2, PSP e PS3, pois tenho os 4 consoles e só falarei de jogos que joguei numa visão para leigos.



Para começar assim, minha estreia, aqui no AK, mesmo com já discrepâncias com boa parte dos administradores/autores do blog, vou começar com um jogo esteriótipo de otaku:
Líder vermelho de cabelo branco, mulher peituda, menina sem sentimentos, o maníaco pelo irmão que jura que não é gay, o cara idiota salvador da pátria, menininha fofa neko, meganeko, troll, monstrengo feioso de coração mole, monstrengo feioso malvado, o cara phodão lobo-solitário, shota-chan e tudo mais que um jogo otaku para otaku permitir.

Estou falando de BlazBlue! (Ou Incêndio Azul, como preferirem, hehê)


O vídeo foca em mostrar os principais personagens com cenários do próprio jogo (diga-se de passagem, a arte deste jogo é linda).
Na ordem: Ragna - The Bloodedge, Jin Kisaraki, Noel Vermillion, Rachel Alucard, Taokaka, Iron Tager, Litch Feye Ling, Arakune, Bang Shishigami, Carl Clover + Nirvana e os dois chefões no final do vídeo, sendo o chefão final mais fácil que o outro.

Agora a parte importante do jogo: a história.
Deixarei isso em branco porque é estupidamente grande e impossível de entender.
Mas antes de vir me culpar, eu tenho uma desculpa: mesmos criadores de Guilty Gear.
Ponto.
Quem entender Guilty Gear, eu dou uma plaquinha joinha pra pessoinha, merece meu respeito! É que nem jogar todos os jogos da série Final Fantasy e escrever um livro resumo sobre a história!

Cada personagem de Blazblue tem uma história tão... Emaranhada... Tão complexa...
A única que posso tentar resumir é a do Carl (meu personagem favorito), mas deixarei isso pra outro post sobre Blazblue, pois este aqui é só uma visão geral.

O que interessa: a jogabilidade
Cada personagem de Blazblue tem uma jogabilidade bem diferenciada.
Quando digo bem, é bem mesmo. Há personagens mili, personagens tankers e personagens que atacam com magias e com armadilhas.
O Hazama, este balançando o chapéu, é um personagem que ataca muito bem com armadilhas: há muitos combos aéreos. Tem seu contra, tira bem pouco dano cada golpe, por deixar o adversário muito tempo no ar.
Outra desvantagem é que seus golpes próximos demais do adversários são bastantes ineficientes até você ativar a barrerinha que consome vida do oponente.

Já o Ragna, à minha direita, é um personagem mili. Combos, combos e mais combos são muito mais fácieis de se realizar do que com o Hazama.
Tanto o Ragna quanto o Jin são ótimos jogadores para começar.

Entretanto, se você começar a jogar absurdamente com o Ragna, com o Jin, Noel e esses personagens que tem golpes rápidos... Desista, amigo, você não vai jogar bem com o Carl, ou a V-13, ou Hakumen ou Hazama.

O estilo muda muito. Isso é bastante interessante do jogo.

Tem seu porém, a quantidade de combos, comparado a um Street Fighter, Tekken, Soul Calibur, é beeeeeem reduzida. Saber o command list de cor é quase um pré-requisito neste jogo porque... Tem um quê? 20 comandos para cara personagem?
Algo do tipo.

Agora algumas curiosidades sobre o jogo:

  • É visível a falta de dinheiro que os produtos tiveram ao fazer Blazblue. O modo história é bem monótono, apesar de ter algumas opções de caminho a seguir (dependendo do caminho, você tem que perder pra máquina pra zerar aquele modo história) mesmo a gente sentindo a emoção do personagem ao falar.
    Obviamente, eles priorizaram a jogabilidade distinta de cada personagem, o que deve ter faltado recursos para um modo história mais dinâmico.



  • O jogo possui umas 70.000 assinaturas pedindo adaptação para anime, mas falta verba pra Arc System Work (quantos jogos eles já fizeram? Guilty Gear é o triunfo deles, ninguém nega, mas e de resto?)
    Por que isso tudo? Bom, primeiro, pra entender melhor a história geral que é embaralhada, intrigada, misturada e sinônimos.
    Depois, basta ver o vídeo no final do post pra entender o porquê.



  • Em BlazBlue, cada personagem tem sua forma ilimitada, ou roubada: você ganha alguns novos golpes, seus finais de combos se tornam ainda mais poderosos (os finish's) e você pode ficar mais rápido, mais forte, mais resistente, magia que atinge toda a tela... Tudo depende do tipo de personagem que estiver na forma ilimitada.



  • Outra coisa que os produtores fizeram, provavelmente, por diversão, é a quantidade de cores que você pode mudar o personagem (coisa bem estilo The King of Fighters 9[insira número]). O que acha de lutar com um personagem todo de ouro? Alguém com pele do Hulk? Que tal um personagem que tá com a cor de alguma bandeira de algum país?
    Eles fizeram só pra se divertir, principalmente com o Jin, em que nenhuma cor, além da original, fica boa. (Francamente, pele roxa?)




  • Tentei falar de uma maneira beeeeem genérica sobre a série BlazBlue em si, mas há, atualmente, duas versões de BlazBlue disponíveis(PC, PSP, PS3, X-BOX) e uma pronta pra sair dia 15 de Maio deste ano.

  • BlazBlue - Calamity Trigger


  • BlazBlue - Continuim Shift (aqueles que possuem esta versão original, LIGUEM SEUS CONSOLES DIA 15 e receba Continium Shift II inteiramente grátis)


  • Para aqueles que já conhecem a série, a qual vou detalhar mais sobre cada versão em posts futuros, vou deixar a abertura do Continium Shift II, que, devo dizer, está melhor que a Calamity Trigger (mais animada e melhor desenhada) (A do Continium Shift foi xoxa demais pra eu chamar de abertura)


    Despeço-me aqui. Até próxima quinta!
    Dance, dance, Hazama 8D

    4 comentários:

    Yori disse...

    Gostei muito do post Roxas 8D
    E eu sei que você roubou aqueles gifs to tumblr e__e
    E o jogo chamou minha atenção <3
    Continue assim, o post está ótimo~

    Roxas disse...

    Ninguém precisa saber que os gifs são do tumblr... eê

    Me-chan disse...

    oiii x3
    seu blog eh mto sugoi *-*
    kawaii u3u
    eu to linkando ele...
    e ofereço meu award \o/
    passa lah no meu blog pra buscar *¬*
    e aproveita pra deixar um coment <3 q
    kissu *3*

    Nezuumi disse...

    Bem vinda roxas, seu post me fez rir, sim.